Notícias

Hospital Santo Antônio terá usina de oxigênio

  12 de Mai de 2021 ás 15h 03min


O oxigênio, no Hospital Santo Antônio, é utilizado em vários outros setores que não, apenas, a UTI respiratória

Luciano André / assessoria HSA

 

O Hospital Santo Antônio anunciou na manhã desta terça-feira, 12, a construção de uma usina de oxigênio em suas instalações. A notícia foi dada em conjunto com a Prefeitura Municipal e a Sinop Energia, principal financiadora do projeto.

De acordo com o diretor do Hospital, Wellington Randal, a decisão da Sinop Energia e a escolha do Santo Antônio para celebrar essa parceria, esse financiamento, trouxeram uma tranquilidade de trabalho bastante grande. “A grande preocupação que tínhamos era em relação á distância dos locais de produção. Éramos dependentes da produção da capital, Brasília ou Goiânia, por exemplo e ficávamos refém do que pudesse acontecer nas estradas. A produção no quintal da nossa casa nos dá uma tranquilidade muito boa”.

O oxigênio, no Hospital Santo Antônio, é utilizado em vários outros setores que não, apenas, a UTI respiratória (nome dado á Unidade de Terapia Intensiva Covid). Por ser porta de entrada e referência para, pelo menos, 30 municípios, gestantes, pacientes oncológicos e vários outros infectados pelo vírus podem dar entrada na unidade necessitando de oxigênio. “Estamos tendo uma troca de interesses da comunidade voltando para a comunidade e suas necessidades”, pontua lembrando que o Santo Antônio trabalha 24 horas com o funcionamento de UTI geral, UTI infantil e centro cirúrgico, que utilizam oxigênio.

O diretor da Sinop Energia, Ricardo Padilha revelou que o ato tem a ver com a política da empresa e que o critério para a escolha do Santo Antônio foi o fato de ser um hospital filantrópico. “O programa é específico para hospitais filantrópicos e, das duas unidades que serão construídas, destinamos a maior para o Santo Antônio, pois é ali que se concentra o maior número de atendimento às pessoas”, pontua ao revelar que a unidade terá capacidade para produção de 30 metros cúbicos por hora.

A previsão é que a usina comece a operar em 60 dias. O programa terá um investimento total de R$2,6 mi, sendo R$1,3 da Sinop Energia e o restante do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) através do programa Salvando Vidas.

A outra usina, além da que será construída no hospital Santo Antônio, será financiada à Prefeitura. Com a capacidade de produção de 20 metros cúbicos de oxigênio por hora e servirá para atender, até, 50 leitos da unidade de pronto atendimento municipal  e 25 unidades básicas e, ainda, 100 pacientes que fazem uso domiciliar de oxigênio.